O que eu tenho feito

- 24 agosto 2017 -
Sinto que dessa vida adulta eu ainda tenho muitos aspectos para melhorar, como por exemplo, as habilidades culinárias que me faltam para começar a ser uma pessoa ~ruim~ na cozinha, veja bem, eu até tento fazer várias coisas certas coisas, mas quando não saem completamente erradas, saem a bolha assassina.

Dia desses meu dote culinário foi colocado a prova mais uma vez e eu recorri ao bom e velho arrozfeijãoovonossodetododiapqésóissoqueeuseifazer, mas daí que o drama começa, pq como ministrar várias panelas ao mesmo tempo? Como não deixar o arroz queimar? Como lidar quando as coisas não dão "o ponto" quando deveriam dar? Eu já começo a ficar meio NERVOUSER e já quero sair correndo. #AjudaLuciano.

Ovão mexido do sucesso

Daí que fazem três semanas já que as aulas voltaram e eu me sinto como:
Resultado de imagem para queria estar morta gif
De férias no caso, eternas no caso.
Foto das antigas, só para ilustrar o post
O fato é que eu estou tentando aproveitar a glória da volta às aulas para colocar minhas leituras em dia (pasmem), e daí que eu encontrei esse livro no fundo da estante e o resto da história todo mundo já sabe: comprei há eras por causa do enredo e ficou escondido no fundo do mar, armário estante porque eu sempre tenho prioridades nessa vida (Bjo King). Só fui me lembrar da existência dele há dois finais de semana passados e né já tava mais que na hora de colocar esse livro para jogo (viu só tô a tia das novas gírias).

Daí que eu quebrei as minhas regras de não levar livros para lugar nenhum e levei para a faculdade, meus caros para ler nos intervalos, meus caros e se vocês soubessem o quanto eu me arrependo dessa decisão, eu já não estaria mais por aqui para contar essa história super desinteressante.

A coisa toda só degringolou mesmo nessa última semana, porque as pessoas, meus caros, possuem desejos, angústias, vontades E MÃOS que por certas ocasiões são bem difíceis de controlar.
A primeira pessoa pegou o livro na mão e já quis começar a ler, mantive a calma por fora, mas por dentro eu estava bem assim:
A segunda pessoa não só pegou o livro como o abriu da forma proibida (entenda-se como você normalmente abriria um jornal) e digo NUNCA, NUNCA, NUNCA MESMO TÁ? Faça isso (com os livros alheios) plmdds, mas ai o caro leitor vai dizer que: mas é só um livro blá blá blá whiskas sachê, e eu direi: me respeita que aqui o negócio é sério. TÔ TRAUMATIZADA.

Podemos falar sobre o meu novo NÃO vício? 
Confesso que ultimamente estou mais influenciável musicalmente falando (mas que fique registrado aqui que jamais deixarei o bom e velho ronquenrou), mas talvez coisas que eu jamais teria cogitado a possibilidade de ouvir eu até esteja avaliando a possibilidade MENTIRA que eu achei legal a música da Lady Gaga do comercial do rock in rio e o amor por ela morreu assim que eu ouvi os primeiros trinta segundos e isso acontece o tempo todo, talvez eu tenha nascido para ser roqueira falida mesmo.

Um comentário em "O que eu tenho feito"

  1. Lu, depois fale se esse livro é bom, plmdds D:
    Comprei há um século, mas por causa de uma ressaca literária de um outro livro (beijo, DarkSide) não consigo engrenar de jeito nenhum! Hahhahah
    Também tenho esse problema de levar livro para os lugares. Uma solução temporária que eu achei foi envolver o livro num saquinho plástico (sou pobre, haha) ou nessas bolsinhas para livro. Agora sobre estranhos tocando nos livros, SOCORR D: Não consigo conceber isso, me isolo, vou pruma montanha ler em paz, se possível for!

    Ahuahauhauah
    Bom final de BEDA! :D

    ResponderExcluir